segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Anjos com tomate

Sobre uma toalha cor-de-rosa, deitada ao lado de uma pequena Pantera Cor-de-Rosa escrevo.


Descrevo.



Um instante que fotografo com a caneta prateada e com detalhes em cor-de-rosa.

A cama fica aos pés da janela de venezianas que parece fazer questão em exibir a luz do dia que ilumina a pele do meu joelho.

Nas paredes brancas, nenhum quadro, somente desenhos feitos com os movimentos do dia.

Um ventilador de teto para refrescar o corpo e um minuto sozinha para a mente.

De colorido, somente as roupas que secam dependuradas na cama ou atrás da porta.

Daqui posso ver o céu, algumas folhas da palmeira da casa do vizinho e um pedaço do telhado.

Tudo recortado em seis partes iguais, as grades me protegem do mundo de fora e me aprisionam no mundo aqui dentro.


Na segunda e na quinta divisão desse céu, dois pequenos anjos.
Macarrões dourados giram, balançam pra lá e pra cá, como se não soubessem em que mundo entrar.




Uma escolha.


Hoje almocei anjos regados a molho de tomate e carne moída.
Agora, sabendo disso parecem mais agitados na janela do quarto.

Mas assim como eu, estão presos a fios e linhas transparentes. Não há como fugir ou correr, não existe esconderijo.

A linha entrega o caminho seguido. Os anjos estão vulneráveis a ação do tempo.


Acalmaram, parecem entender o destino, aceitar a situação. Admirar da janela a chuva que amolece o corpo, desfaz a cor, o sol que resseca e quebra.

3 comentários:

Toque de Mish disse...

Liberdade!!!
Ainda que as grades nos separe, ainda que fios transparentes nos prendam. Ainda assim, podemos exercer a liberdade. Liberdade para devaneios provocados por anjos presos a janela por um fio transparente.
Adorei!

Marcos Lula disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcos Lula disse...

Muito Bom! Beijão!